terça-feira, 24 de março de 2015

PARTITURAS DE COMPOSITORES CURITIBANOS PUBLICADAS NA REVISTA 'O MALHO'

                                                                                                               por Tiago Portella Otto

Este breve artigo tem por objetivo apresentar partituras de compositores curitibanos que tiveram suas obras publicadas na revista O Malho, importante periódico produzido no Rio de Janeiro de 1902 até 1954. Nesta primeira etapa da pesquisa catalogamos todas as partituras publicadas entre os anos de 1902 e 1909, em um total de 300 partituras de compositores de todo o Brasil e identificamos duas composições envolvendo músicos de Curitiba. Ainda, supomos que uma terceira peça seja de uma compositora curitibana. Em seguida daremos continuidade a pesquisa, rastreando os demais fascículos. Publicaremos aqui o resultado desta primeira etapa.

É bastante conhecida a história da viagem de Bento Mossurunga para o Rio de Janeiro no ano de 1905.  Após ter a partitura da valsa Bela Morena publicada na revista O Malho, amigos do compositor angariaram fundos para que Mossurunga viajasse em busca de reconhecimento e trabalho. De fato, Mossurunga viveu de 1905 até 1930 no Rio de Janeiro e foi um dos mais importantes compositores e regentes de orquestras para o Teatro de Revista. Seu catálogo é constituído por centenas de composições entre choros, polcas, valsas, hinos, marchas, entre outros.




O Malho, 02 set. 1905, edição 155, p. 14/15

A dissertação de mestrado da pesquisadora Anna Paes nos traz uma informação reveladora. Pixinguinha na década de 1940 orquestrou uma composição do importante compositor curitibano, Benedito Nicolau dos Santos. A carta de um ouvinte da Rádio Tupi remetida para Almirante relata o seguinte:

Curitiba, 21 de outubro de 1949

À PRG 3 – Radio Tupi do Rio de Janeiro – para o Sr. Almirante

Cordiais saudações – Ouvindo, há mais ou menos dois meses atrás o seu programa entitulado “A VELHA GUARDA” tive o imenso prazer de ouvir a orquestração feita por Pixinguinha, de uma polca do muito ilustre conterrâneo, Sr. Benedito Nicolau dos Santos, publicada no “O MALHO” editada em 1907 e executada pela orquestra do programa da “A velha guarda”. Terminada que foi a execução da polca, V.S. dirigiu um apelo a todos os ouvintes desse programa, para que lhe fornecessem dados relativos ao autor, em virtude de ser desconhecido. Assim sendo, é com a máxima satisfação que anexo a esta uma ligeira biografia do Sr. Benedito Nicolau dos Santos, extraída da Antologia Paranaense. O mesmo senhor é vivo e reside nesta capital onde é chefe de uma respeitável família. Para maiores esclarecimentos, se assim V.S. desejar, poderão ser obtidos com o poeta Francisco Leite, no Centro Paranaense dessa metrópole. Aproveito a oportunidade para felicitar à V. S. Ppelos belos programas que fazem a delícia dos ouvintes da PRG 3. 

Atenciosamente me subscrevo, José Cid.

(trecho extraído da dissertação Almirante e O Pessoal da Velha Guarda - memória, história e identidade, UNIRIO, 2012, p. 31 - por Anna Paes)

Portanto, após rastrear os fascículos d'O Malho publicados em 1907 e que estão disponíveis na Biblioteca Nacional não foi possível encontrar obras deste compositor. Porém, na edição 97, do ano 1904, encontramos a polca Bizarra de autoria de Benedito Nicolau dos Santos. Existem grandes possibilidades de ser esta polca a que foi orquestrada por Pixinguinha, contudo, os arquivos do Instituto Moreira Salles que resguardam os originais de Pixinguinha e do Pessoal da Velha Guarda, não contém arranjos da polca Bizarra e de nenhuma outra obra de autoria de Benedito Nicolau dos Santos. (informação gentilmente cedida pela coordenadora de música do instituto, Bia Paes Leme)



O Malho, 23 jul. 1904, edição 97, p. 12/13

Continuando a pesquisa sobre compositores curitibanos que tiveram partituras publicadas em O Malho nos deparamos com o schottisch Amor Infantil de Julieta da Rocha Pombo, publicada na edição de número 188. Supomos que Julieta tenha relações de parentesco com José Francisco da Rocha Pombo, jornalista, professor, historiador, político e escritor, nascido em Morretes em 1857 e falecido no Rio de Janeiro em 1933.



O Malho, 21 abr. 1906, edição 188, p. 22/23


2 comentários:

  1. obrigado por trazer à luz essas raridades. /abraço aqui do também garimpador Paulo

    ResponderExcluir
  2. Obrigado a você Paulo pelo incentivo constante!!

    ResponderExcluir